sábado, 14 de fevereiro de 2009

O Baú dos Tesouros

A ÁRVORE DAS FOLHAS A-4


Hoje foi a vez da nossa colega Juliana ler a história que escolheu. Ela leu-nos: "A árvore das folhas A-4"....
O título desta obra é bastante curioso!...Nunca vi uma árvore com folhas de papel A-4...e vocês?...Não?...Então o melhor é lerem o reconto que a Juliana fez:

Era uma vez uma árvore que nasceu numa parte escondida do bosque. Era muito inteligente e sabia que algumas árvores iam ser cortadas e utilizadas pelo homem. Iriam ser convertidas em papel, outras em mobiliário e outras em lenha para o fogão.
Desde sempre que a árvore sabia que ia ser papel, então quando a Primavera chegou vestiu-se de folhas A-4. E assim foi...

Quando chegou o Verão pensou em frutificar, mas não podia dar frutos, então decidiu dar letras. E assim foi...As letras combinavam e formavam mensagens secretas de muitas cores.

Chegou o Outono e ela perdeu as folhas e as letras. Os pássaros ficaram tristes e choraram. Então aconteceu algo extraordinário, como por feitiço: as lágrimas derramadas transformaram as letras em pássaros e aquelas que cairam na água transformaram-se em peixes.

Diz-se que as folhas e as letras voam de noite...e que, se alguém as ouve, transforma-se em poeta...

3 º ano

XICO



A Susana leu para todos, os colegas, a história do ratinho Xico...Um ratinho muito guloso...
Vejam lá que este ratinho pensava que a Lua era um queijo!...
Aqui está o pequeno reconto desta história feito pela nossa colega e a sua ilustração.




O Xico foi à Lua porque lhe disseram que esta era feita de queijo, mas ele tinha muitas saudades dos outros ratos e do planeta Terra. E embora fosse valente, Xico não pode evitar e deixou cair uma lágrima...
A Lua como era muito carinhosa balançou-se e cantou. Xico acabou adormecer abraçado à Lua. O nosso ratinho ficou encantado.


3º ano
HISTÓRIA DE MUITAS CORES


A Érica leu para os colegas da sala de aula "História de muitas cores".No fim, os colegas fizeram perguntas sobre a história à aluna.


Esta fez ainda o reconto da história:



Era uma vez uma menina chamada Fá, o nome dela nasceu de uma nota musical.Esta menina estava de repouso em casa porque tinha partido uma perna. Entretanto, arranjou um amigo imaginário a que deu o nome de Tintas. Ela inventava lindas histórias imaginárias.

Uma vez, os dois amigos foram para o Mundo Azul, aí foram convidados pelo Passaricoque e voaram até à Gruta Azul e encontraram o Monstrazul e este pregou-lhes uma partida.
Logo de seguida, entraram no Mundo Amarelo, descobriram coisas extraordinárias e encontraram o Girassol.
Os nosso amigos convidaram a Rã Rambóia e foram para o Mundo Verde e conheceram o Índio. Conversaram bastante com ele.
Depois foram convidar o Porquinho para ver o Pôr-do-Sol esconder-se e foi assim que começou a aventura no Mundo Rosa.
A história prolonga-se por muito mais até que finalmente chegaram ao Mundo Lilás. Aqui todos se despediram da Fá com um beijo de boa noite.Assim, terminou esta linda história.

3º ano



DINOSÁURIO BELISÁRIO



Esta obra foi lida pelo nosso colega Diogo Ferreira. É uma história bem engraçada...que todos vão ficar agora a conhecer:

Belisário era um feroz dinossauro,
verde,mole,gordo,enorme,
e vestia um uniforme
cinzento,de militar,
que usava para mandar.


Gritava como um dragão,
sem motivo nem razão.
Deitava, sem compaixão,
pela boca lume e gás,
cinza e fumo,coisas más
e mais bolas de carvão.


Belisásio era o terror
em todo o mundo em redor.
Noite e dia andava em guerra
contra os gatinhos da terra,
contra os pássaros do ar
e contra os peixes do mar.


Ninguém jogava com ele,
nem ao galo nem ao loto
nem com barcos de papel.
Era uma coisa normal
da Carrapateira ao Porto
fugir daquele animal.


Andava, pois, Belisário
amuado e solitário,
dando voltas ao seu lento,
mole e negro pensamento.
VOU PROIBIR-LHES O LOTO,
O GALO E QUALQUER DESPORTO!


Usando o lume da boca
pintou no céu um cartaz:
PROÍBO O LOTO E O GALO
E OS BARQUINHOS DE PAPEL
E QUEM NÃO ME OBEDEÇA
PODE PERDER A CABEÇA.


Não era ainda a contento;
queria ele fazer mal
a todo o reino animal.
Então,mandou-lhes um vento
com cinza e fumo infernal
e deixou-os sem alento.


Ateou os rabos dos gatos,
assim prendeu lume ao mar.
Aos pássaros obrigou
a que calçassem sapatos;
e não podiam voar.
mas ao rei não lhe chegou.


Deixou os peixes colados
com cola em vários telhados
e aos passarinhops cantores
meteu-os em ascensores.
fez os gatos encerrar
em malas, sem respirar.


Fartos desta situação
meninos, mais dum montão,
meninas, em pelotão,
mais ou menos um milhão,
marcharam em procissão:
grande manifestação.


Todos juntos, a uma voz,
berraram: Abaixo o rei!
Abaixo o bicho feroz!
Abaixo o mundo sem lei!
Abaixo esta besta enorme!
Abaixo o seu uniforme!


As tremebundas palavras
foram como abracadabras
Por arte de encantamento,
de súbito , num momento,
caíram-lhe as calcinhas,
as ceroulas e as cuequinhas.


E ficou o rei disforme
despido como nasceu,
sem o seu velho uniforme
e sem poder. Sei-o eu,
que vi como Belisário
se escondia num
armário.


Ali vive desde então
o rei gordíssimo e mole,
feio dinossauro enorme,
despido e sem uniforme,
que passa o dia cantando
esta engraçada canção:


Eu cá sou o rei do loto,
o governador do galo
da Carrapateira ao Porto,
É assim que me regalo,
imperador Belisário,
presidente deste armário.


E os gatos alpinistas,
os pássaros trapezistas,
mais os peixes navegantes,
jogam em torres gigantes
lá no mais alto do monte,
e nos mares do horizonte.


O aluno fez também o seu reconto:



Belisário era um feroz dinossauro que vestia uniforme, que usava para mandar. Gritava como um dragão sem motivo nem razão. Deitava bolas de carvão. Belisário era o terror em todo o mundo.
Ninguém jogava com ele ao galo, ao loto, nem com os barcos de papel.
Andava, pois, Belisário amuado e solitário, mole e com negros pensamentos. Pintou no céu um cartaz:
Proíbo o loto, o galo e os barquinhos de papel e quem não me obedeça pode perder a cabeça.
Não era ainda a contento, queria ele fazer mal a todo o reino animal, e deixou-os sem alento.
Aos pássaros obrigou a que calçassem sapatos e não podiam voar. Deixou os peixes colados com cola em vários telhados e aos passarinhos cantores mete-os em ascensores.
Fartos desta situação meninos, um milhão, marcharam em grande manifestação. Todos juntos berraram:
-Abaixo o bicho feroz! Por arte de encantamento, de súbito, num momento, caíram-lhe as calcinhas. Belisário escondeu-se no armário.
Ali vive o rei enorme: - Eu cá sou o rei do loto e do galo.


16 comentários:

  1. este bloge é fantastico
    Hirondina
    Érica

    ResponderEliminar
  2. ola amiguinhos,visualizei o nosso blog, esta magnifico,a nossa professora é uma querida,beijinhos a todos.
    Érica

    ResponderEliminar
  3. Estas historias sao muito giras,tou ansioso pela a proxima historia

    ResponderEliminar
  4. mas que dinossauro terrivel. que sorte terem conseguido por artes de magia dominar esse malandro...

    ResponderEliminar
  5. estas histórias e lengalengas tao muito giras.
    ÉRICA

    ResponderEliminar
  6. Gosto muito do teu desenho está muito fofinho e o texto que leste é muito engraçado Susana!!!

    ResponderEliminar
  7. Érica está tão gira a tua composição!!!

    ResponderEliminar
  8. O texto das folhas à-4 é muito engraçado Juliana!!!

    ResponderEliminar
  9. Eu adoro a história da Juliana(A árvore das folhas A-4)!!!!

    ResponderEliminar
  10. O teu texto é muito engraçado Juliana!!!

    ResponderEliminar
  11. Eh Dinossáuro Belisário cuidado que eu tenho medo, achei muito engraçado aquela parte em que o Dinossáuro Belisário ficou com vergonha e meteu-se dentro do guarda-fato e nunca mais saiu de lá, era muito engraçada a tua história Diogo!!

    ResponderEliminar
  12. também gostei muito da história do diogo «dinossáurio belisáurio»

    ResponderEliminar
  13. a história da susana foi das mais bonitas «xico».
    abracinhos á susana

    ResponderEliminar
  14. as poesias do livro estão muito giras, diogo.
    abracinhos da querida beatriz

    ResponderEliminar